Tudo sobre investimentos

A crise do peso mexicano de 1994

Categorias relacionadas

O que é o efeito tequila?

O Efeito Tequilla (também conhecido como Choque Tequilla ou Crise Tequilla) é uma gíria para as consequências financeiras ou econômicas resultantes da economia mexicana.

O peso mexicano (MXN) tem sido a moeda oficial do México desde que o país conquistou sua independência em 1821. A crise da moeda mexicana de 1994 foi uma desvalorização repentina do peso mexicano, o que fez com que outras moedas na América Latina (como no Cone Sul e Brasil) a diminuir também. O efeito da crise foi informalmente conhecido como 'Efeito Tequilla' ou 'Choque Tequilla'.

A queda do peso acabou sendo sustentada por um pacote de resgate de US$ 50 bilhões coordenado pelo então presidente dos EUA Bill Clinton e administrado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Principais conclusões

  • A Crise da Tequila começou em 20 de dezembro de 1994, quando o peso mexicano foi desvalorizado, causando uma crise cambial global e resultando em um resgate de US$ 50 bilhões do FMI à economia mexicana.
  • Fatores econômicos domésticos e internacionais, juntamente com forças políticas, ajudaram a precipitar a crise.
  • O banco central começou a converter dívidas de curto prazo, denominadas em pesos, em títulos denominados em dólares. A conversão resultou na diminuição das reservas externas e no aumento da dívida.
  • Uma crise auto-realizável resultou quando os investidores temeram um calote na dívida do governo.

Entendendo a crise da tequila: a desvalorização do peso mexicano em 1994

Em 20 de dezembro de 1994, o banco central mexicano desvalorizou o peso entre 13% e 15%. Para limitar a fuga excessiva de capitais, o banco também elevou as taxas de juros. As taxas de juros de curto prazo subiram para 32%, e os custos mais altos resultantes dos empréstimos eram um perigo para a estabilidade econômica.

O governo mexicano permitiu que o peso voltasse a flutuar livremente dois dias depois, mas em vez de se estabilizar, o peso sofreu outro forte golpe, desvalorizando quase pela metade de seu valor nos meses seguintes.

Imediatamente após a desvalorização do peso mexicano nos primeiros dias da presidência de Ernesto Zedillo, os países sul-americanos também sofreram uma rápida desvalorização da moeda e perda de reservas. O capital estrangeiro não apenas fugiu do México, mas a crise também levou ao contágio financeiro nos mercados emergentes.

Era um fato conhecido que o peso estava supervalorizado, mas a extensão da vulnerabilidade econômica do México não era bem conhecida. Como os governos e empresas da região tinham altos níveis de dívida em dólares americanos, a desvalorização significava que seria cada vez mais difícil pagar as dívidas.

O resgate da dívida mexicana

Em resposta à crise, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Divulgação da Dívida Mexicana de 1995, promulgada pelo presidente Clinton em 10 de abril de 1995. A lei forneceu bilhões em assistência financeira para operações de swap e garantias de valores mobiliários usando dólares dos contribuintes americanos, e assistência do FMI.

O governo mexicano – como condição do considerável resgate – foi obrigado a implementar certos controles de políticas fiscais e monetárias. Eles também tiveram o cuidado de manter seus compromissos existentes com as políticas do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA). O México sofreu uma severa recessão e crises de hiperinflação nos anos que se seguiram à crise, pois o país manteve níveis excessivos de pobreza pelo restante dos anos noventa.

Deixe o seu comentário
Nome
E-mail
Comente