Tudo sobre investimentos

Acordo de Livre Comércio (TLC)

Categorias relacionadas

O que é um Acordo de Livre Comércio (TLC)?

Um acordo de livre comércio é um pacto entre duas ou mais nações para reduzir as barreiras às importações e exportações entre elas. Sob uma política de livre comércio, bens e serviços podem ser comprados e vendidos através das fronteiras internacionais com pouca ou nenhuma tarifa governamental, cotas, subsídios ou proibições para inibir sua troca.

O conceito de livre comércio é o oposto do protecionismo comercial ou do isolacionismo econômico.

1:25

Livre comércio

Como funciona um acordo de livre comércio

No mundo moderno, a política de livre comércio é muitas vezes implementada por meio de um acordo formal e mútuo entre as nações envolvidas. No entanto, uma política de livre comércio pode ser simplesmente a ausência de quaisquer restrições comerciais.

Um governo não precisa tomar medidas específicas para promover o livre comércio. Essa postura de não interferência é chamada de “comércio laissez-faire” ou liberalização do comércio.

Os governos com políticas ou acordos de livre comércio não necessariamente abandonam todo o controle de importações e exportações ou eliminam todas as políticas protecionistas. No comércio internacional moderno, poucos acordos de livre comércio (TLCs) resultam em comércio completamente livre.

Principais conclusões

  • Os acordos de livre comércio reduzem ou eliminam as barreiras ao comércio através das fronteiras internacionais.
  • O livre comércio é o oposto do protecionismo comercial.
  • Nos EUA e na UE, os acordos de livre comércio não vêm sem regulamentação e supervisão.

Por exemplo, uma nação pode permitir o livre comércio com outra nação, com exceções que proíbem a importação de medicamentos específicos não aprovados por seus reguladores, ou animais que não foram vacinados, ou alimentos processados ​​que não atendem aos seus padrões.

Os benefícios do livre comércio foram descritos em Sobre os Princípios de Economia Política e Tributação, publicado pelo economista David Ricardo em 1817.

Ou pode ter políticas em vigor que isentem produtos específicos do status de isenção de tarifas para proteger os produtores nacionais da concorrência estrangeira em suas indústrias.

A Economia do Livre Comércio

Em princípio, o livre comércio em nível internacional não é diferente do comércio entre vizinhos, cidades ou estados. No entanto, permite que as empresas em cada país se concentrem na produção e venda dos bens que melhor usam seus recursos, enquanto outras empresas importam bens escassos ou indisponíveis no mercado interno. Essa mistura de produção local e comércio exterior permite que as economias tenham um crescimento mais rápido e atendam melhor às necessidades de seus consumidores.

Essa visão foi popularizada pela primeira vez em 1817 pelo economista David Ricardo em seu livro On the Principles of Political Economy and Taxation. Ele argumentou que o livre comércio expande a diversidade e reduz os preços dos bens disponíveis em uma nação enquanto explora melhor seus recursos, conhecimento e habilidades especializadas locais.

Opinião Pública sobre Livre Comércio

Poucas questões dividem tanto os economistas e o público em geral quanto o livre comércio. Pesquisas sugerem que os economistas do corpo docente das universidades americanas são sete vezes mais propensos a apoiar políticas de livre comércio do que o público em geral. De fato, o economista americano Milton Friedman disse: “A profissão de economista tem sido quase unânime no assunto da conveniência do livre comércio.”??

As políticas de livre comércio não têm sido tão populares entre o público em geral. As questões-chave incluem a concorrência desleal de países onde os custos trabalhistas mais baixos permitem o corte de preços e a perda de empregos bem remunerados para fabricantes no exterior.

O apelo ao público para comprar a América pode ficar mais alto ou mais baixo com os ventos políticos, mas nunca fica em silêncio.

A visão dos mercados financeiros

Não surpreendentemente, os mercados financeiros veem o outro lado da moeda. O livre comércio é uma oportunidade de abrir outra parte do mundo aos produtores nacionais.

Além disso, o livre comércio é agora parte integrante do sistema financeiro e do mundo dos investimentos. Os investidores americanos agora têm acesso à maioria dos mercados financeiros estrangeiros e a uma gama mais ampla de títulos, moedas e outros produtos financeiros.

No entanto, o comércio totalmente livre nos mercados financeiros é improvável em nossos tempos. Existem muitas organizações reguladoras supranacionais para os mercados financeiros mundiais, incluindo o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia, a Organização Internacional da Comissão de Valores Mobiliários (IOSCO) e o Comitê de Movimentos de Capital e Transações Invisíveis.

Exemplos do mundo real de acordos de livre comércio

A União Europeia é hoje um exemplo notável de comércio livre. As nações membros formam uma entidade única essencialmente sem fronteiras para fins de comércio, e a adoção do euro pela maioria dessas nações facilita ainda mais o caminho. Deve-se notar que este sistema é regulado por uma burocracia sediada em Bruxelas que deve gerenciar as muitas questões relacionadas ao comércio que surgem entre os representantes dos países membros.

Acordos de Livre Comércio dos EUA

Os Estados Unidos têm atualmente uma série de acordos de livre comércio em vigor. Estes incluem acordos multinacionais, como o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), que abrange os EUA, Canadá e México. e o Acordo de Livre Comércio da América Central (CAFTA), que inclui a maioria das nações da América Central. Existem também acordos comerciais separados com nações da Austrália ao Peru.

Coletivamente, esses acordos significam que cerca de metade de todas as mercadorias que entram nos EUA são isentas de tarifas, segundo dados do governo. A tarifa média de importação de bens industriais é de 2%.??

Todos esses acordos coletivamente ainda não se somam ao livre comércio em sua forma mais laissez-faire. Grupos de interesses especiais americanos fizeram lobby com sucesso para impor restrições comerciais a centenas de importações, incluindo aço, açúcar, automóveis, leite, atum, carne bovina e jeans.

Deixe o seu comentário
Nome
E-mail
Comente